Walério Araújo Inverno 2010 – O Mágico de Oz encontra o submundo


Notice: Undefined index: full in /home/storage/2/18/d4/casadecriadores/public_html/wp-includes/media.php on line 215

Notice: Undefined index: full in /home/storage/2/18/d4/casadecriadores/public_html/wp-includes/media.php on line 216

Notice: Undefined index: full in /home/storage/2/18/d4/casadecriadores/public_html/wp-includes/media.php on line 217

Notice: Undefined index: full in /home/storage/2/18/d4/casadecriadores/public_html/wp-includes/media.php on line 218
Na noite desta segunda feira, o Museu da Língua Portuguesa foi tomado por fashionistas que aguardavam ansiosamente a apresentação de Walério Araújo. O local escolhido enriqueceu mais ainda a coleção, que tinha como tema central o septuagenário filme “O Mágico de Oz” com um pé no fetichismo – que é uma das marcas do estilista. Conversamos com o stylist Yan Acioli, que montou os looks da apresentação. Yan foi categórico: “Tem tudo: a rainha má e seus soldados, a fada boa, o homem de lata, o espantalho, o leão e a nossa versão da Dorothy”. Como forma de fazer referência ao tufão da história original, Yan resolveu misturar a ordem de entrada dos “looks-personagens”.  Tanto que a primeira a entrar na passarela foi a versão de Walério para a rainha má e seus soldados. Nessa releitura, ele transformou a rainha em uma dominatrix poderosa, com saiote matelassê, babados e corset. Seus soldados não ficaram por baixo e tornaram-se elegantes submissos masoquistas. O Leão veio de plush com pelúcia, sua versão feminina seguia a mesma linha. Já a fada boa estava coberta de pedrarias. O homem de lata transformou-se em um guerreiro metalizado, todo de tachas quadradas e amarrações. E ao final, sua Dorothy vem com um sensual vestido pied-de-poule e claro, o indefectível sapato vermelho.
Walério não se prendeu à uma pequena cartela e acabou usando “todas as cores do arco-íris”, investiu pesado em apliques, bordados e tecidos nobres; já o acabamento era um show à parte. Nos calçados, em parceira com Fernando Pires, apostou em saltos desafiadores para as mulheres e bicos super finos para os homens. Os destaques ficaram por conta das texturas, volumes e amarrações – presente na maioria dos looks. Para a beleza, a ideia foi transformar o cabelo das modelos em algo similar à um algodão doce – como se tivessem saído do vendaval. Já o make era delicado e tinha oscilações somente na cor do batom (azul ou rosa claro).
Foto Marcelo Soubhia/ Ag. Fotosite

Foto Marcelo Soubhia/ Ag. Fotosite

Na noite desta segunda feira, o Museu da Língua Portuguesa foi tomado por fashionistas que aguardavam ansiosamente a apresentação de Walério Araújo. O local escolhido enriqueceu mais ainda a coleção, que tinha como tema central o septuagenário filme “O Mágico de Oz” com um pé no fetichismo – que é uma das marcas do estilista. Conversamos com o stylist Yan Acioli, que montou os looks da apresentação. Yan foi categórico: “Tem tudo: a rainha má e seus soldados, a fada boa, o homem de lata, o espantalho, o leão e a nossa versão da Dorothy”. Como forma de fazer referência ao tufão da história original, Yan resolveu misturar a ordem de entrada dos “looks-personagens”.  Tanto que a primeira a entrar na passarela foi a versão de Walério para a rainha má e seus soldados. Nessa releitura, ele transformou a rainha em uma dominatrix poderosa, com saiote matelassê, babados e corset. Seus soldados não ficaram por baixo e tornaram-se elegantes submissos masoquistas. O Leão veio de plush com pelúcia, sua versão feminina seguia a mesma linha. Já a fada boa estava coberta de pedrarias. O homem de lata transformou-se em um guerreiro metalizado, todo de tachas quadradas e amarrações. E ao final, sua Dorothy vem com um sensual vestido pied-de-poule e claro, o indefectível sapato vermelho.

walerio copy

Foto Marcelo Soubhia/ Ag. Fotosite

walerio0 copy

Foto Marcelo Soubhia/ Ag. Fotosite

Walério não se prendeu à uma pequena cartela e acabou usando “todas as cores do arco-íris”, investiu pesado em apliques, bordados e tecidos nobres; já o acabamento era um show à parte. Nos calçados, em parceira com Fernando Pires, apostou em saltos desafiadores para as mulheres e bicos super finos para os homens. Os destaques ficaram por conta das texturas, volumes e amarrações – presente na maioria dos looks. Para a beleza, a ideia foi transformar o cabelo das modelos em algo similar à um algodão doce – como se tivessem saído do vendaval. Já o make era delicado e tinha oscilações somente na cor do batom (azul ou rosa claro).

A coleção já está sendo comercializada na loja.

Walério Araújo
Edificio Copan
Av. Ipiranga, 200 – Loja 69

Centro – São Paulo

Compartilhe: