Igor Dadona estreia nessa temporada com masculino cool e descolado

Igor Dadona

PERFIL DE ESTILISTA

IGOR DADONA

Estilista estreante nesta edição da Casa de Criadores, Igor Dadona faz parte da nova leva de profissionais que estão levando a moda masculina brasileira para outro patamar. Hoje os homens finalmente têm ao seu alcance diversas marcas que passam bem longe da pasteurização. Na própria Casa de Criadores, esse trabalho começou a despontar com estilistas como Mário Queiroz (para quem, aliás, Dadona já trabalhou), um dos primeiros e pensar em uma moda masculina mais descolada, abrindo espaço para toda uma nova geração, capitaneada hoje por João Pimenta, entre outros. Para se ter uma ideia, desfilam nesta edição do evento cinco marcas exclusivamente masculinas e várias outras que misturam o masculino e o feminino em suas coleções.

O estilista de 25 anos, formado pela faculdade Anhembi Morumbi, conta que começou a se interessar por moda desde pequeno. “Gostava de desenhar personagens de videogame, fui crescendo e não parei de desenhar, mas comecei a criar meus próprios personagens”, diz. Até que sua família foi percebendo a atenção que ele dava para as roupas. “Comecei, então, a pesquisar sobre o assunto. Li livros, revistas, sites e vi que era ali o meu lugar”.

Ele conta um pouco de sua trajetória. “Entrei na universidade em 2008, ano em que tive meu primeiro trabalho na área. Com o Mario Queiroz, pude ter o contato direto com um backstage de desfile. No ano seguinte, fui convidado pelo jornalista e editor de moda masculina Lula Rodrigues para ser seu assistente. Fiquei com Lula até 2010 cobrindo as principais semanas de moda do Brasil, e também foi onde tive meu maior contato com a moda masculina”. Em seguida, Igor foi trabalhar com o stylist Rapha Mendonça. “Depois da minha graduação, em 2011, lancei minha primeira coleção totalmente masculina e, desde então, me dedico apenas a minha marca”, diz.

Igor, um admirador do trabalho da estilista holandesa Iris Van Herpen, gosta das cores preto e branco e procura sempre por referências subjetivas na hora de criar uma coleção, “como, por exemplo, uma desilusão amorosa”. Já tentou definir esse processo numa frase dita numa entrevista: “Penso em moda como um universo em que me recolho, fico protegido de tudo e de todos. Quando volto de lá, trago minhas experiências vividas para compartilhar com os outros. Capturo com a minha visão inúmeros detalhes que esse universo tem a oferecer e entrego para que as outras pessoas possam ler com o olhar delas. A moda tem que fazer sua pele ficar arrepiada, causar desejo, não só o desejo comercial, mas o desejo de sonhar e de fazer entender que não há limite, tudo é possível”.

00030_003-LRG

Look da estilista holandesa Iris Van Herpen, uma das preferidas de Igor

E completa: “Meu maior prazer como criador é ver as pessoas entendendo e aceitando o trabalho que ofereço. Um elogio ou alguém dizer que se emocionou com algo que fiz profissionalmente me deixa extremamente feliz. Poder trazer de dentro para fora minhas vontades, meus pensamentos, minha posição sobre algo que está acontecendo através do vestuário me fascina. Ver que alguém se identifica e literalmente veste a minha ideia me fascina duas vezes mais. Acredito que não conseguiria uma ‘moeda de troca’ tão honesta em outra profissão”.

Ficou curioso para conhecer o trabalho dele? Igor Dadona faz seu primeiro desfile no dia 15 de outubro dentro da programação da 34ª Casa de Criadores, que acontece no Memorial da América Latina, em São Paulo. Acompanhe aqui no site toda a cobertura do evento.

Igor Dadona
Onde encontrar por enquanto, na página no Facebook e, ainda este ano, na loja/galeria CHOIX.
Coleção Inverno 2014 tem base referencial na obra do pintor Michael Hussar, que mescla elementos do mundo masculino e feminino com fortes alusões à religião e ao sexo. Um mundo de dualidades onde o universo sombrio é explorado de forma perturbadora, porém belo. Desse universo, Igor trouxe para a coleção a cartela de cores composta apenas por preto, branco e off-white, bordados pontuais e materiais como a lã, o couro e a pele sintéticos, criando uma queda de braços entre o sagrado e o profano. “Para esta coleção decidi criar um homem com apelo fetichista sem precisar expor o corpo, um exército sombrio e forte”.
Tel. (011) 99251-4383

 

Compartilhe: