Pensata: qual o problema de usar a mesma roupa que outro convidado da festa?

 

Havia um tempo em que as estrelas de Hollywood e os membros da realeza não repetiam seus vestidos em outros eventos sociais. Era deselegante, cafona, totalmente “out”. Também não usavam roupas baratas, muito menos de lojas de departamento, pelos mesmos motivos. Michelle Obama e Kate Middleton entraram em cena para mudar esse conceito. Antes delas, Sharon Stone foi a uma cerimônia do Oscar com camisa branca do marido e saia Vera Wang e parou o mundo com tamanha ousadia (para quem já tinha cruzado as pernas daquele jeito em “Instinto Selvagem”, nada demais, né?) O Festival de Cannes, que sempre exigiu salto alto das convidadas, viu neste ano a linda Julia Roberts atravessando o tapete vermelho… descalça, em uma clara atitude anti o dress code ultrapassado para os padrões da França atual (lembra as muitas empresas que exigem salto alto das funcionárias ou que proíbem que homens usem bermudas no expediente). A verdade é que a moda evolui, conceitos se adequam aos novos padrões e o conservadorismo vai por água abaixo ano após ano, abrindo caminho para novas experimentações, ousadias e modas. E sempre foi assim: de Cleópatra (a primeira celebridade feminina do mundo), passando pelos devaneios de Maria Antonieta (que inventou sua própria moda com seus chapéus absurdos), até Coco Chanel (que rompeu de vez todos os padrões entre feminino e masculino). Pois bem: até hoje todo mundo, seja no mundo das grandes estrelas ou do anonimato das ruas, ainda fica chocado quando duas pessoas usam sem saber a mesma roupa em um mesmo evento. É um tal de constrangimento que faz a gente pensar: o que tem de errado em usar a mesma roupa que outra pessoa, ainda mais em um mundo no qual o fast fashion ocupou seu lugar de destaque entre primeiras-damas e princesas? Esse é um tabu que ainda não caiu por terra e por isso a gente joga a polêmica aqui. O que você acha, leitor?

 

Compartilhe: