A história de Mari Malek: modelo refugiada que conquistou a moda e criou uma ONG

Não é de hoje que o mundo da moda significa para boa parte das modelos um sonho, uma mudança de vida. Para Mari Malek isso tem um teor ainda maior. Se ainda não a conhece, grave seu nome. Nascida no Sudão do Sul, ela é modelo, DJ e atriz que vive em Nova York e tem um passado de superação.

Mari ainda era criança quando conseguiu permissão para entrar nos Estados Unidos depois de viver quatro anos em um campo de refugiados no Egito. “Eu era a criança estranha: alta, negra – ‘de onde ela veio? Quem é ela?’ Eu tinha dificuldade para me expressar porque não sabia falar inglês”, disse à BBC.

E a jornada para chegar aonde chegou não foi moleza – afinal, quando é? No entanto, nunca se esqueceu de seu passado.“Eu queria poder ajudar todos eles, mas não posso. Ver crianças sofrendo assim parte meu coração”, disse ela.

Mari Malek

E não é que Mari Malek tem feito mesmo? Criou uma ONG voltada à educação infantil no Sudão do Sul chamada Stand for Education. Seu trabalho voluntário a levou às Nações Unidas e rendeu elogios do ex-presidente Barack Obama. “De onde eu venho, Sudão do Sul, somos muito fortes e resilientes. Estamos em guerra há quatro décadas e continuamos resistindo, sobrevivendo, vivendo e fazendo coisas. Isso está no meu sangue.”

Em 2016, em meio à violenta guerra civil, o Sudão do Sul foi o país de onde mais saíram refugiados. No mesmo ano, o país uniu-se ao Afeganistão, Síria e Somália no grupo de países com mais de um milhão de refugiados. No total, o número de pessoas deslocadas no mundo alcança 1,8 milhão. A guerra começou em dezembro de 2013, e desde então mais de 1,7 milhão de pessoas buscaram refúgio em países vizinhos, sobretudo Etiópia, Quênia, Sudão e Uganda. Palmas para ela!

Mari Malek

Compartilhe: