Um toma lá dá cá sobre arte com Duilio Ferronato, que inaugura galeria colaborativa em SP

“Será uma galeria colaborativa, na qual os artistas fazem parte do processo todo: curadoria, montagem, administração e exposições”, explica Duilio Ferronato sobre a Lona Galeria de Arte, que será inaugurada neste sábado (16). A abertura acontece com a exposição “Além do Universo Fálico”, e mais duas exposições individuais dos artistas Higo Joseph e Malu Pessoa Loeb. “Elas tratam do universo feminino e da influência masculina.”

Trabalho de Malu Pessoa Loeb / Foto: Divulgação

Sobre viver de arte no Brasil com guerras ideológicas, burrices crônicas e caça às bruxas por parte da política de extrema direita e seus seguidores, Duilio (que antes esteve à frente da Galeria Gravura Brasileira e por anos viveu do design de móveis e objetos que produzia) conta que “a arte sempre foi considerada inútil por pessoas pouco estimuladas intelectualmente, mas por pessoas que entendem o conceito de viver em desenvolvimento pleno, não podem viver sem o estímulo da arte. O tacanhismo de nossa política atual não vai durar muito e em breve as pessoas vão voltar a entender que arte é essencial para o desenvolvimento econômico e estrutural de um país.”

Confuso para que lado tende a arte contemporânea? Duilio lança seus dados: “A arte contemporânea tem mostrado um grande interesse por assuntos sociais. Os valores astronômicos que alguns artistas vivos alcançam é um fenômeno midiático e pouco tem a ver com arte. Arte sempre teve uma preocupação social, desde o Renascimento o artista sempre foi engajado nesse universo.”

Mas não estaria a arte mais preocupada em dialogar só com seu mundinho? “Não. O cidadão comum se voltou à TV e isso o afastou de várias peças essenciais. Seja teatro, leitura, artes visuais ou comida saudável. A TV estimula o sujeito a ficar em casa consumindo coisas rápidas e industrializadas. Arte, por outro lado, recupera algumas dessas almas perdidas e às traz de volta a entender que o humano precisa de arte para evoluir.”

Vai vender arte no Brasil? Preocupado em combinar quadro com sofá? Só o lobby reina no Brasil? Cata as dicas… “Arte decorativa ainda é o maior mercado, aquela que combina com o sofá. O comprador rico é capaz de financiar grandes projetos e ao mesmo tempo projeta o preço de alguns trabalhos para o mundo financeiro. Ao mesmo tempo há pessoas interessadas em discutir arte e consumir. A galeria está sendo inaugurada com recursos vindos de vendas de trabalhos”, explica.

E por fim: em tempos das pós-verdades, a arte vai salvar ou não essa porra de mundo? “Só arte salva!”, completa Duilio.

Duilio Ferronato: só a arte salva / Foto: Divulgação

Mais sobre a exposição Além do universo fálico
“A parceria entre o curador Duilio Ferronato e os artistas Higo Joseph, Malu Pessoa Loeb, Teresa Berlinck, Cesar Meneghetti, Jorge Morábito e Magdalena Marcianick vem de muitos encontros e víeis múltiplos. Aliás, multiplicidade, diversidade e experiências fazem parte desse projeto. Não conseguimos conviver com o conceito binário e muito menos com a lógica fálica do pensamento reinante. Somos desajustados e produzimos de uma forma que tem que ser vista de uma ângulo enviesado, sem definições precisas, mas com certezas de que estamos indo bem.”

Além do Universo Fálico
Lona Galeria de Arte
sábado,16/02/19 das 13 às 17hs
rua brigadeiro Galvão, 990 – Barra Funda
cel. 11 9 9403 0023

Compartilhe: