Uma síntese sobre as novidades da 15ª edição da SP-Arte que acontece de 3 a 7 de abril

Não é heresia dizer que a SP-Arte vem chamando mais atenção do público e da mídia do que a própria Bienal de São Paulo e, apesar de precisar de certo cacife para levar uma obra para casa, o gostoso é mergulhar no mundo dos artistas contemporâneos de todo canto do mundo. Abaixo, um resumão do jeito que a gente gosta: sem muitos caracteres, mas com tudo que precisamos saber sobre a feira hype.

Obra de Wesley Duke Lee / Foto: Reprodução site SP-Arte

* O maior festival de arte da América Latina acontece de 3 a 7 de abril no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, mas a arte toma conta pela cidade toda, com eventos paralelos em galerias e espaços culturais.

* Para os convidados, a abertura será dia 3 com um preview especial. O horário de funcionamento será das das 13h às 21h de quinta a sábado e das 11h às 19h no domingo.

* Aquele detalhe chatinho: a entrada custará R$ 50 inteira e R$ 20 a meia entrada promocional para estudantes, portadores de deficiência e idosos com mais de 60 anos [necessária a apresentação de documento]. O Vale-Cultura poderá ser usado para o abatimento de 50% do valor do ingresso. Crianças de até 10 anos não pagam entrada. Compre aqui.

* Curta o Facebook da Sp-Arte e acompanhe as novidades. Aqui, o site da feira.

* Todo ano acontece o Circuito Ateliês Abertos, que rola no sábado anterior à feira, 30 de março. A novidade é a inclusão de ateliês do Centro de São Paulo no itinerário. Destaque para o Atelier do Centro, um centro de estudos de arte e pesquisas idealizado por Rubens Espírito Santo, além dos ateliês de artistas na Galeria Califórnia, que fica em um prédio de Oscar Niemeyer e Carlos Lemos dos anos 50, e a Pivô, dedicada à experimentação artística e que fica no Copan.

* Na Vila Madalena também tem circuito artsy com passeios a pé entre quatro espaços coletivos: Fonte, Projeto Fidalga, Hermes Artes Visuais e Vão – Espaço Independente de Arte.

* No projeto Gallery Night rola programação integrante nos dias 1º e 2 de abril com as galerias da Vila Madalena, Pinheiros, Itaim, Jardins e Vila Nova Conceição, que vão funcionar em horário alternativo para receber o público para exposições, visitas guiadas, performances e festas.

* Fique de olho no Talks, série de debates sobre arte contemporânea, com especialistas, curadores e colecionadores. Neste ano os encontros gratuitos acontecem no auditório do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM).

* Neste link você encontra todos os artistas que participam desta edição. No total são 832 cadastrados. E aqui, todas as obras.

* Abaixo, algumas exposições que valem a pena conferir. Aqui, todas elas.

“Em Choque”, Exposição coletiva
Galpão Itaim, São Paulo
16 mar–3 mai 2019

“Suspensão”, Artur Lescher
Pina Estação, São Paulo
23 mar–24 jun 2019

Obra de Artur Lescher / Foto: Reprodução site SP-Arte

“Sopro”, Ernesto Neto
Pina Luz, São Paulo
30 mar–15 jul 2019

“Arte no Brasil: Vanguarda brasileira dos anos 1960 – Coleção Roger Wright”, Artista Coletivo
Pinacoteca de São Paulo, São Paulo
Exposição permanente

* No tema Design, confira os móveis de aço carbono de Jaime Lerner, um dos mais respeitados designers brasileiros. “Quero apenas mostrar o bom design: móveis práticos, bonitos, duráveis e sem grandes frescuras. Móveis dos quais as pessoas possam usufruir com prazer em suas casas ou em áreas públicas”, disse ele em entrevista para o site da SP-Arte.

Cadeira de Jaime Lerner / Foto: Reprodução site SP-Arte

* E clique neste link para conhecer todas as galerias do país que participam da SP-Arte.

Compartilhe: