ALEXANDRE DOS ANJOS

SERAFIM

SERPENTE


“Naquela hora, meu corpo caiu no chiado de uma tv, sentindo o formigamento que me consumia, me transportando para um lugar desconhecido. Por ali permaneci confortável”.

Encantamento da cor rosa, associado a um anjo de guarda mentor de uma vida preta, falar do corpo negro atravez da leitura dos anjos, uma reinterpretação de seres celestiais, serafins, figuras aladas que possuem 3 pares de asas, e o corpo ardendo após a picada de uma serpente.

Partindo de um encontro com anjos, do sincretismo e da experiência de ter alcançado algum local desconhecido, enquanto o corpo físico permanece em repouso e o corpo astral experimenta o cosmo, o encontro de uma memória remota e do sentir, para a construção de roupas pintadas e objetos de arte. Esses objetos elaboram a experiência do pensar ancestral e das narrativas sincréticas, inventando possibilidades de enxergar outros mundos e transformá-los em um campo atmosférico e do existir além.






Alexandre dos Anjos /// Estilo: Alexandre dos Anjos /// Artistas: Pavuna, Okofá e teatro Pombagira /// Agradecimentos: Karlla Girotto, Cláudio Bueno e Santista Jeanswear ///